Taurus pode aumentar produção nos EUA para exportar ao Brasil, diz CEO

Taurus Armas, maior fabricante de armas leves do Brasil e da América Latina, pode expandir a operação nos Estados Unidos para atender ao mercado brasileiro. A informação é do presidente da empresa, Salesio Nuhs, em entrevista ao Poder360.

“Se nada mudar no Brasil, a gente deve fazer [mais armas] nos EUA”, afirma, explicando que o maior obstáculo da empresa é a questão regulatória no país, “maior que a tributária”. Em 2020, 74% das armas da Taurus foram produzidas em território brasileiro, mesmo patamar que os 2 anos anteriores.

“Para lançar o produto no Brasil, você precisa passar por um órgão de homologação que demora. Se não tiver nada na fila, são 2 anos [de espera]. Como eu tenho 378 produtos na fila, se você fizer uma matemática e dividir por uma média de homologações anual, eu tenho 40 anos de produtos na fila.”

A empresa já mudou duas linhas de produção de pistolas que foram desenhadas e desenvolvidas no Brasil para sua fábrica no Estado da Geórgia, nos Estados Unidos, “para fugir dessa questão burocrática”. Salesio disse ainda que pretende fazer um lançamento simultâneo no Brasil e nos EUA, e que isso só será possível devido à medida.

Por mais que a Taurus tenha um relação próxima ao governo e às Forças Armadas, com reuniões junto à Casa Civil do governo Bolsonaro, a fala do CEO revela a dificuldade da empresa em avançar nas homologações do Centro de Avaliações do Exército, aonde são produzidos os RETEx (Relatório Técnico Experimental) dos produtos.

Segundo Salesio, os encontros com o governo são para discutir primordialmente “a questão regulatória”, além de reuniões com o Ministério da Defesa para o desenvolvimento dos produtos.

O mercado policial e militar brasileiro ser dominado por empresas estrangeiras de armas não interfere nos resultados da Taurus, avalia o CEO da empresa Salesio Nuhs.

TAURUS NO MERCADO BRASILEIRO E ESTRANGEIRO

A empresa produziu um recorde 1,6 milhão de armas em 2020 –alta de 25% em relação a 2019. O número acompanhou um resultado de patrimônio líquido de R$ 263 milhões de reais no ano, segundo o balanço da divulgado pela empresa (íntegra – 2 MB). O crescimento foi de 507% em relação a 2019. “Passamos a ser uma empresa agressiva nos EUA. Todos esses recordes são resultado da reestruturação e de entendimento de mercado”, disse o CEO da companhia.

Em relação ao volume de vendas, o mercado brasileiro representa apenas 15% na compra de armas. O restante vai para o mercado civil norte-americano, alvo principal da empresa. “O mercado civil é o mercado mais estável”, explica, dizendo que contratos nos mercados policiais e militares dependem de licitações. “É [um mercado] binário, ou você ganha ou você perde. Nós estruturamos a companhia em cima do mercado civil e agregamos essas licitações que participamos no mundo inteiro.”

A empresa é líder absoluta no setor dentro do Brasil, sem muita concorrência. Há apenas a estatal Imbel (Indústria Brasileira de Material Bélico), cujo foco é na distribuição de armas para as Forças Armadas. As importações de pistolas e rifles são liberadas no país, mas acabam saindo muito mais caras que os produtos do Taurus.

 

 

O CEO afirma que isso se deve “a essa questão tributária e regulatória”. Diz que são 70% de impostos sobre os produtos no país, fora a espera pela homologação. “Ninguém vem se submeter”. 

POLÊMICA E REESTRUTURAÇÃO

Há alguns anos, a Taurus foi alvo constante de pedidos de CPIs e críticas por fabricar armas defeituosas. A fabricação da pistola 24/7, calibre .40, foi o que teve mais repercussão. A arma, que utiliza um sistema de acionamento de tiro híbrido, que foi patenteado pela austríaca Glock, foi vendida às forças policiais militares de todo o país.

Os trabalhadores da segurança pública então passaram a relatar casos em que a arma disparava sozinha, sem uso do gatilho, além de travamentos e acidentes –muitos fatais. Alguns lotes de pistolas e submetralhadoras ficaram encaixotados em batalhões das polícias, sem uso.

“A Taurus no passado cometeu alguns erros. Evidentemente que tiveram consequências. Essa gestão sempre se preocupou em resolver os problemas do passado. Fizemos revisões preventivas em todas as armas, seja das policiais, seja do cidadão civil, desde que ele mostrasse interesse.”

A polêmica abriu espaço para empresas estrangeiras embarcarem nos contratos com as polícias do Brasil. Recentemente, a concorrente austríaca levou algumas licitações, como no caso da Polícia Civil do Estado de São Paulo, que fechou contrato de US$ 12 milhões com a empresa europeia para a compra de 4 mil pistolas.

Indagado sobre se isso afeta os números da empresa, o CEO disse que não há impacto: “Não afeta o resultado da Taurus (…) no ponto de vista do negócio, de resultados”. Salesio explica que as licitações para compra de 2 mil armas, 3 mil armas não acabam interferindo, exemplificando que a produção da Taurus no 4º trimestre de 2020 foi 8,2 mil armas por dia.

Os problemas atravessaram o país para o maior mercado de armas do mundo, nos EUA. A empresa foi processada também no país e optou por um acordo de US$ 30 milhões para encerrar uma ação coletiva, movida contra 3 empresas do grupo, incluindo a matriz estrangeira.

Salesio atribuiu o problema à gestão passada e disse que o acordo fez parte da nova administração, para “acabar com esse passivo todo”. O CEO defende que a empresa reconquistou a credibilidade dos norte-americanos, com recordes nas vendas.

“Hoje o Brasil é o maior exportador de armas leves para os EUA. Antes era a Áustria. a Taurus é a 1ª opção de importação para os americanos, somos a 4ª marca mais vendida no país.”

Fonte:www.poder360.com.br

Translate »
Abrir WhatsApp
Qual sua Dúvida?
Olá ,
em que podemos Ajudar?